Economia Criativa: a necessidade de se reinventar – Blog - expoLAB
Blog – expoLAB

Economia Criativa: a necessidade de se reinventar

Economia Criativa é a denominação do ciclo de criação, produção e distribuição de bens e serviços que reúnem em si valores econômicos e culturais, utilizando como matéria prima a criatividade e o capital intelectual para gerar, dentre outras coisas, riqueza, diversidade cultural e impacto social.

Tal demanda mercadológica surgiu diante da ampla digitalização e conectividade. As Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) mudaram a economia, a sociedade e o comportamento do consumidor, transformando, consequentemente, as empresas e os modelos de negócios.

Atualmente a palavra de ordem para o setor econômico é “experiência”. Eis o berçário de grandes ideias que abraçam o consumidor muito antes dele de fato pagar por aquele bem ou serviço. A publicidade é um grandioso exemplo de como o discurso impacta no consumo do produto, e tal discurso, seja ele racional ou emocional, afeta a relação do indivíduo com a marca. Contudo, nem sempre é preciso ir muito longe na criatividade: a escolha de uma boa playlist pode fazer o consumidor passar muito mais tempo na loja do que imaginava, e até cantarolar entre uma prova de roupa e outra.

Aumento na procura por profissionais que atuam na área de marketing, experiência do usuário (UX Design), bem como o número cada vez maior de trabalhos freelancers para fotógrafos, ilustradores e publicitários, por exemplo, é uma consequência visível das demandas do mercado. O foco, antes no produto, passa a ser o cliente e os modelos de relações de trabalho se tornaram muito mais fluidos e baseados numa necessidade pontual. É a chamada Economia Sob Demanda, caracterizada pela contratação de funcionários temporários e, até mesmo, remoto, como os tradutores sem vínculo formal, os fotógrafos e designers freelancers, os motoristas e entregadores de aplicativo, por exemplo.

Relação entre consumidores importa mais

As TICs também geram novos hábitos nos consumidores. A experiência que antes era analisada de forma individual (a minha experiência com tal marca/produto), hoje é analisada de forma coletiva (a experiência da sociedade com tal marca/produto). Vários sites e aplicativos permitem a avaliação dos produtos e serviços oferecidos, a comparação entre eles tendo em vista sua qualidade, durabilidade, usabilidade, preço entre outras características.

A lógica de confiança do consumidor hoje é de um usuário para o outro, a referência não é mais se a marca é boa ou não, por exemplo. O atendimento e produtos personalizados, com foco nas preferências e hábitos do cliente é a chave de ouro para a conquista de um público fiel e promotor, ou seja: aquele que vai sempre consumir e recomendar seu produto/serviço. Vale lembrar que as crenças, princípios, atitudes e discursos praticados pela marca pode fazer seu produto não vender, mesmo que seja o melhor produto disponível. É preciso reinventar a interação com os consumidores e a forma de informá-los.

Perfil do profissional criativo

Todo esse processo de transformação digital, foco no consumidor, personalização de conteúdo e demais ferramentas para o êxito da Economia Criativa, exige das empresas e profissionais novas competências e habilidades, como a flexibilidade e a liberdade. Um ponto importante que faz o profissional amar ou odiar tais dinâmicas trabalhistas é a relação de trabalho fluida, ou seja, sem um contrato fixo tradicional. Tal característica é positiva para as novas gerações visto seu perfil explorador e inventivo. Muitas vezes os jovens desejam aproveitar a vida viajando, por exemplo, e utilizam do trabalho remoto para se manter. Há também aqueles que buscam sempre novidades e acham uma chatisse um trabalho rotineiro, constante e repetitivo, estes desejam estarem imersos em novidades e novos desafios. Esses são os profissionais flexíveis, livres, que buscam soluções assim como formulam perguntas inusitadas e inovadoras, atuando diretamente na inovação e têm ideias brilhantes que arrebatam corações e tiram lágrimas em comerciais de 30 segundos, por exemplo.

Profissionais sem fronteiras, que sabem muito bem guiar o barco e navegar de forma eficiente no mundo digital, aqueles que apontam tendências, aproveitam oportunidade, inovam e ressurgem sempre cada vez mais capacitados, driblando crises e se reinventando. São esses profissionais o diferencial competitivo das empresas no mercado atual.

CURSOS E PROMOÇÕES EXPOLAB

Saiba de nossas próximas turmas: http://www.expolab.com.br/agenda

Conheça todas as áreas que atuamos: http://www.expolab.com.br/areas_cursos

Vagas de emprego e estágio: http://www.expolab.com.br/vagas

Avatar

Giselle Cahú

Jornalista, fotógrafa, produtora de conteúdo que escreve uns poemas de vez em quando e adora contar histórias.

8 thoughts on “Economia Criativa: a necessidade de se reinventar

  • Avatar
    07/04/2020 at 09:29
    Permalink

    Nossa, que completo. Vários termos e visões sobre o assunto que eu não havia explorado, achei fantástica a explicação com fluidez aplicada totalmente no cenário atual. Muito bom

    • Avatar
      07/04/2020 at 17:48
      Permalink

      Prazer imenso receber teu feedback!

  • Avatar
    06/04/2020 at 20:40
    Permalink

    Parabéns Giselle pelo tema e texto instigantes.

    • Avatar
      07/04/2020 at 17:46
      Permalink

      Obrigada! Continue acompanhando o blog, temas como este estão sempre presentes. (:

  • Avatar
    06/04/2020 at 18:48
    Permalink

    Bem esclarecedor, mostrou as transformações da sociedade e as vinculações da economia com os avanços de tics. Parabéns!!!

    • Avatar
      06/04/2020 at 19:03
      Permalink

      Muito obrigada! Ainda há muito a se falar sobre esse assunto, novidades surgem todos os dias principalmente em tempos de crise. Continue acompanhando nosso blog! (:

  • Avatar
    06/04/2020 at 17:24
    Permalink

    Excelente matéria Giselle.

    • Avatar
      06/04/2020 at 19:03
      Permalink

      Muito obrigada!

Comments are closed.